Mário Centeno eleito ministro das Finanças do Ano da Europa pela revista The Banker

EM MONÇÃO, OESTECIM DEFENDE AEROPORTO EM OTA, ALENQUER, OESTE DE PORTUGAL
30 Dezembro, 2018
UMA IMPORTANTE ECONOMIA NO OESTE DE PORTUGAL – UMA ECONOMIA CIRCULAR PELAS PESSOAS E PARA AS PESSOAS
6 Janeiro, 2019

ECONOMIA

 

Condução dos trabalhos no Eurogrupo e recuperação económica de Portugal estão na origem da distinção da publicação do grupo Finantial Times

2019 começa bem para Mário Centeno. O ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo anunciou esta quarta-feira, pela rede social Twitter, que foi eleito Ministro das Finanças do Ano da Europa pela revista “The Banker”, uma publicação do grupo Financial Times especializada em assuntos financeiros.

Segundo a “The Banker”, Mário Centeno “pode olhar para os seus primeiros 12 meses como presidente do Eurogrupo com bem merecida satisfação”. E concretiza: “maratonas de negociações envolvendo os ministros das Finanças da zona euro no princípio de Dezembro culminaram nas reformas mais significativas no bloco da moeda única desde a crise da dívida soberana. Foi alcançado acordo em dezenas de assuntos em torno da prevenção e gestão de futuras crises financeiras”.

A publicação continua apontando que o ministro tem pela frente dois desafios ainda maiores em 2019: um pilar da união bancária e outro destinado a reforçar a credibilidade do projeto europeu.
“Agora, podemos concentrar-nos no esquema europeu de garantia de depósitos e no orçamento da zona euro”, afirma Centeno, citado pela “The Banker”.
A revista continua relembrando que Centeno foi uma escolha pouco habitual pelos seus pares “para uma das posições mais prestigiadas” da zona euro. “É o primeiro presidente do Eurogrupo do sul da Europa e o primeiro de um país resgatado durante a crise financeira”.

“A eleição do economista português, que tem um doutoramento de Harvard, foi um reconhecimento da impressionante recuperação económica de Portugal”, argumenta a publicação, recordando, nomeadamente, a forte descida do desemprego e a previsão da OCDE para um crescimento estável do PIB, acima dos 2%, em 2019 e 2020.

“O défice público deve desaparecer até 2020 e o rácio da dívida pública está numa trajetória descendente firme”, acrescenta a OCDE, citada pela revista.
A “The Banker” relembra ainda a solução política em Portugal, com o PS coligado desde 2015 com o “radical Bloco de Esquerda e os comunistas portugueses numa plataforma anti-austeridade”.
E frisa que a primeira prioridade de Mário Centeno foi “reestruturar e recapitalizar quatro dos cinco maiores bancos em Portugal durante 2016 e 2017”.

Além disso, “o salário mínimo e as pensões foram aumentadas, ao mesmo tempo que os impostos sobre as empresas e as pessoas com baixos rendimentos diminuiram”, elenca a publicação.

Para “diminuir a pressão sobre as finanças públicas, os gastos em infraestruturas foram cortados, mas começaram a recuperar desde 2017”, afirma a “The Banker”.
Centeno “arrancou elogios pela sua liderança do Eurogrupo e por ser mais conciliador do que o seu por vezes abrasivo antecessor, Jeroen Dijsselbloem”, diz a revista.
E termina citando Mário Centeno: “Acredito firmemente nas instituições e em torná-las melhores. Compromissos são a essência do progresso”.

 

Por Sónia M. Lourenço

Fonte: expresso.pt

 

*Mário José Gomes de Freitas Centeno é um economista português, Ministro das Finanças de Portugal desde 26 de novembro de 2015. Foi eleito presidente do Eurogrupo a 4 de dezembro de 2017, tendo iniciado funções a 12 de janeiro de 2018.

* Wikipédia

vpdicas
vpdicas
Somos um equipa de profissionais luso brasileiros com o propósito de oferecer dicas, apoio e networking aos que desejam conhecer, viver empreender e investir em Portugal, especialmente no Centro do país.